Terça-feira, 14 de Outubro de 2008

Quase metade dos alentejanos ganha menos de 600 euros.

Região tem a mais alta taxa de desemprego do país (8,5%) e quase dois terços dos desempregados são mulheres

    Os dados fornecidos pela União de Sindicatos do Distrito de Beja revelam que a região alentejana continua a manter a mais alta taxa de desemprego do país, com 8,5 por cento, sendo que a situação mais grave de carência afecta as mulheres. Os salários também são baixos com cerca de 43 por cento dos alentejanos a ganharem menos de 600 euros por mês.

   O número de mulheres desempregadas reflecte um aumento de 9,8 por cento relativamente ao ano de 2005, sendo agora quase dois terços da população alentejana sem emprego, situando-se muito acima da média nacional, estimada em 54,2 por cento. Em 2005, aquele grupo de trabalhadoras representava 50 por cento dos desempregados na região.
   Ainda entre 2005 e o segundo trimestre de 2008, o emprego no Alentejo diminuiu 3,1 por cento, a única região do país onde isso sucedeu. Mas a precaridade laboral, no mesmo período, aumentou 10,7 por cento, enquanto o desemprego de longa duração atingiu 45,5 por cento dos que se encontram sem trabalho na região.

 

Jovens sem ocupação

   A taxa de desemprego dos jovens é a segunda mais alta do continente. Nos indivíduos até aos 25 anos, é de 17,7 por cento. Os serviços absorvem 64,8 por cento do emprego da região, seguindo-se a indústria, com 24 por cento, e a agricultura e pesca, com 11,2 por cento.
   Os números da crise no mercado de trabalho da região, fornecidos pelo organismo sindical, afecto à CGTP, registam 81 mil trabalhadores precários, atingindo 30 por cento do total dos assalariados, acima da média nacional (23%), revelando um aumento de 10,7 por cento em relação a 2005. Em contrapartida, os contratos sem termo diminuíram 6,4 por cento no mesmo período. A taxa de precaridade é mais elevada entre as mulheres (30,5 %).

 

Ganha-se mais nos serviços

   No final do segundo trimestre de 2008, havia na região alentejana 31 mil trabalhadores desempregados, sendo que 19.300 eram mulheres, num universo aproximado de 270 mil trabalhadores por conta de outrem, rondando os 706 euros o salário médio mensal líquido no Alentejo, o que representa 95,8 por cento da média nacional.
   É no sector dos serviços que se aufere um salário acima da média regional (731 euros), mas os trabalhadores da indústria e da agricultura, silvicultura e pesca têm salários líquidos abaixo da média e 42,6 por cento dos trabalhadores da região auferem salários abaixo dos 600 euros. Na agricultura, silvicultura e pescas, aquele número eleva-se a 64,5 por cento. Ainda segundo a União dos Sindicatos de Beja, a pobreza na região atinge 20 por cento da população.

 

http://jornal.publico.clix.pt/

 

Aqui está um dos motivos porque saí de Évora...
  

publicado por estanah0ra às 17:35

link do post | comentar | favorito
|

.Mais sobre mim

.Pesquisar neste blog

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Posts recentes

. Crónica de João Quadros n...

. Até sempre*

. Adoro <3

. De volta.

. Homem

. Pascoa e 25 de Abril!

. F.C.PORTO CAMPEÃO NACIONA...

. Uma certeza..

. Demissão do 1º Ministro

. Primavera

.Arquivos

. Abril 2012

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.Links

blogs SAPO

.subscrever feeds